Encontre dicas úteis sobre como proceder em situações emergenciais em caso de sinistro com o seu veículo.

O que fazer em caso de sinistro?

Os Corretores de Seguros da Venturelli JEPV Corretora de Seguros Ltda são as pessoas mais indicadas para te orientar e encaminhar seu processo à seguradora. Em caso de sinistro com o seu veículo entre em contato conosco imediatamente.

Caso aconteça algum sinistro coberto pela sua apólice, siga as instruções abaixo para cada caso:

Pane ou colisão do veículo: proteja seu veículo acidentado, reduzindo o risco de ocorrer mais danos a ele e outros, removendo-o (desde que não hajam vítimas) para um local seguro e que não impeça o tráfego. Depois comunique o sinistro ao seu corretor de seguros que lhe dará instruções de como agir. 

Caso necessite de atendimento para pane, entre em contato conosco ou diretamente com a assistência 24 horas da sua seguradora.

A colisão, c
aso tenha envolvido terceiros, precisa ser analisada entre os dois condutores para que ambos cheguem a um consenso de quem foi o culpado. Independente de qual for a decisão, é necessário anotar todos os dados referentes à localização do acidente (nome da rua, bairro e pontos de referência) e as placas dos veículos acidentados. Além disso, tire fotos dos veículos e danos causados, do local e da posição exata dos veículos no momento da colisão. Lembre-se de colher os dados do outro condutor (nome, telefone e foto do documento do veículo e CNH frente e verso). Todas essas informações são necessárias para serem encaminhadas à seguradora no momento de abertura do sinistro. Caso haja testemunhas no local, é recomendado que os contatos delas sejam anotados para posteridades.

Se na colisão teve vítimas, chame o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) através do 192 para o atendimento dos feridos. L
embre-se de acionar a polícia para realizar o registro da ocorrência e perícia no local. É importante sinalizar o local com um triângulo e pisca-alerta para evitar aglomerações e possíveis novas colisões. Não movimente as vítimas, pois um atendimento equivocado pode agravar as lesões.


Roubo ou furto total ou parcial do veículo: informe a polícia através do 190. Faça o Boletim de Ocorrência na delegacia mais próxima. Comunique seu corretor de seguros, ele lhe informará quais os demais procedimentos a serem tomados e a documentação necessária para enviar a sua seguradora. 

Envolvimento de terceiros e a responsabilidade do acidente foi atribuída ao seu veículo: não assuma compromissos ou responsabilidades, todos os entendimentos com terceiros serão feitos pela seguradora ou sob sua orientação. Faça o Boletim de Ocorrência na delegacia mais próxima e de preferência, leve o terceiro com você. Contate seu corretor de seguros e informe o ocorrido.

Geralmente, os documentos pedidos em caso de sinistros são: 

- Cópia do RG, CPF e CNH (Carteira Nacional de Habilitação) do condutor. 
- Cópia do documento do veículo (CRLV). 
- BO (Boletim de Ocorrência). 
- Aviso de sinistro preenchido e assinado.
- Dados do terceiro como nome e telefone da pessoa, documento do veículo (CRLV) e CNH (Carteira Nacional de Habilitação).


Onde o veículo será consertado?

O segurado tem livre escolha para levar o veículo acidentado. Entretanto, recomendamos que você escolha as oficinas referenciadas pelo fato delas serem avaliadas previamente pelas seguradoras e terem um controle de qualidade para realizar o conserto da melhor forma possível e dentro de um prazo justo. O veículo passará por uma vistoria para que possam ser avaliados os danos causados e determinar se é um caso de perda parcial ou perda total, além de conferir se os danos sofridos pelo veículo correspondem aos fatos descritos sobre a colisão.

A perda total ocorre quando o custo do conserto do veículo em função de um único sinistro é igual ou ultrapassa o percentual de 75% do valor do veículo estipulado na apólice. Inversamente, se os custos dos reparos forem inferiores a 75% do valor considerado para o veículo, considera-se perda parcial.

As oficinas referenciadas também oferecem outros serviços ao segurado, como revisão e liberação dos reparos com mais rapidez, além do fato de que as seguradoras concedem benefícios exclusivos quando o segurado as escolhem para consertar o veículo após a colisão.


O que é necessário para realizar a vistoria após a colisão do veículo?

É necessário o número do sinistro que será informado pela seguradora, além de alguns documentos que podem variar de acordo com cada seguradora. O importante é manter a agilidade no envio de todos os documentos solicitados para tornar o processo mais eficiente.


Franquia em caso de perda parcial

Em caso de colisão com perda parcial, se o custo do conserto do veículo for maior que o valor da franquia estipulada na apólice, o segurado deverá pagar a franquia e a seguradora pagará o valor restante. O pagamento da franquia deve ser realizado na própria oficina. No entanto, se o custo for menor que o valor da franquia, o segurado deverá pagar pelo conserto por conta própria.


Franquia em caso de perda total

Quando ocorre a perda total do veículo, o segurado não precisa realizar o pagamento da franquia, apenas se houver parcelas do seguro em aberto, que precisarão ser quitadas. Também não há cobrança de franquia no pagamento de indenização por incêndio do veículo, ainda que configure perda parcial.


Indenização

​Em caso de perda parcial, após os reparos o segurado poderá retirar o veículo e realizar o pagamento da franquia (se necessário) diretamente na oficina.

Quando ocorre perda total, o veículo tem sua propriedade transferida para a seguradora, que paga a indenização ao segurado de acordo com o seguro contratado (Valor de Mercado Referenciado ou Valor Determinado).

Se o veículo ainda estiver sendo financiado, o financiamento deve ser quitado para que a indenização seja liberada. Isso pode ser realizado pelo segurado ou pela própria seguradora, que consequentemente pagará ao segurado apenas a diferença.

Caso não seja possível quitar o financiamento, é possível tentar substituir o veículo em garantia do financiamento com o valor da indenização.

Casos de roubo e furto em que o veículo não é recuperado não são considerados perda total, mas também motivam o pagamento da indenização integral pela seguradora.

Se o segurado provocar um acidente que ocasione perda parcial ou total no veículo de outra pessoa, o seu seguro só indenizará este terceiro caso tenha sido contratada a cobertura de Responsabilidade Civil Facultativa - Danos Materiais.

A seguradora tem o prazo legal de até 30 dias para pagar a indenização integral a partir da data de recebimento de todos os documentos solicitados.

No momento de pagar a indenização integral, a seguradora pode descontar valores pendentes do veículo, como multas, prestações de financiamento e impostos devidos, incluindo IPI e ICMS para veículos de segurados isentos destes tributos (taxistas e PCD/PNE).

Após o pagamento da indenização integral, a apólice de seguro é automaticamente cancelada e o segurado perde uma classe de bônus. Caso adquira um novo veículo e faça uma nova apólice de seguro dentro de 30 dias, o segurado consegue manter as demais classes de bônus da sua última apólice no novo seguro.